Faça o Seu Cérebro Trabalhar a Seu Favor

 

Tomar decisões é algo inerente a nossa vida. Qual curso escolher para o vestibular? Qual pessoa namorar? Casar ou não? Ter um filho? Não ter nenhum? Ter 3?! Mas – coincidência ou não – não é ensinado na escola como devemos agir nestes momentos tão importantes em nossas vidas.

 

É costume que nossas decisões sejam tomadas com base em emoções ou com base no que dizem amigos, cônjuge e pais. O que as pessoas não sabem é que nosso cérebro tem 3 formas distintas de tomadas de decisões.

 

1. Experiência: todas as experiências que passamos são registradas em nosso cérebro. E ali esses dados ficam guardados, para serem utilizados em momentos certos. Por exemplo, quando um atleta de baseball vai rebater uma bola, não dá pra calcular racionalmente a velocidade da bola, a forma de lançamento e as condições do vento. Então o cérebro, com base nos dados armazenados de situações anteriores, fornece informações para aquele determinado momento.

O núcleo accumbens registra sensações ligadas a memórias. E é acionado quando vê uma situação similar que deu certo no passado. Devemos utilizar a experiência quando precisamos decidir imediatamente e não temos tempo para raciocinar. No entanto, em situações que possam definir o seu futuro, é sugerido que não seja utilizado apenas a experiência.

 

2. Instinto: ele sempre está visando a preservação, e é disparado quando precisamos proteger nossa vida, se alimentar, procurar parceiros e competir. Duas áreas de nosso cérebro (amídala e ínsula) carregam impulsos de milhões de anos de história. Um exemplo simples é quando você está andando a noite na rua e vê um sujeito suspeito. Você simplesmente sente uma sensação de que um assalto está prestes a acontecer. Ou quando você está em uma festa e começa a perceber uma garota apresentando expressões faciais e corporais que demonstram interesse em você. É o instinto.

Resultado de imagem para garota flertando gif

Devemos usar o instinto em situações que exigem reações imediatas, como por exemplo um eminente instinto de assalto. Mas definitivamente não devemos utiliza-lo em situações que não são casos de vida ou morte, como por exemplo, entrar em uma briga apenas pela vontade de bater em alguém que lhe provocou no trânsito.

 

3. Racional. Em 1848, Phineas Gage trabalhava na construção de estradas de ferro nos EUA. Em uma explosão, uma barra de ferro atravessou sua cabeça. Ele não morreu, mas ficou com uma sequela curiosa: excessivamente racional. Phineas simplesmente não demonstrava qualquer emoção e só tomava decisões que eram guiadas pela lógica. Na época ninguém conseguiu explicar.

 

Mas nos anos 80, o neurologista Antônio Damásio, da Universidade South California, verificou que pessoas que passavam por cirurgias no cérebro para retirada de tumores, perdiam uma área do córtex pré-frontal. E esta área é justamente a responsável por fazer o comparativo entre o lado racional e o lado das emoções, ou seja, exatamente aquilo que nos torna ‘humanos’.

dylan sprouse chess GIF by The Orchard Films

O córtex pré- frontal é responsável por julgar a consequências de nossas decisões. Portanto, devemos utiliza-lo ao tomar decisões que possuam impacto de repercutir definitivamente em nosso futuro. Em situações que não são definitivas para o nosso bem estar de longo prazo, podemos utilizar as emoções, como por exemplo relaxar ao assistir um filme de comédia.

 

O Processo de Decisões Racionais para o Longo Prazo

 

É impossível passar pela vida sem ao menos tomar uma decisão que nos deixa em dúvida, com medo ou receosos. Seja no trabalho, na família, no lado pessoal ou em relacionamentos, tomar decisões é sempre um desafio.

 

Um detalhe importante sobre nosso cérebro é que ele sempre busca duas coisas: se aproximar do prazer e se afastar da dor. Baseado nisso, ele acaba sempre nos levando –  conscientemente ou inconscientemente – a largar aquele emprego, a mudar de imóvel, a tomar uma cerveja depois do trabalho ou encerrar um casamento.

 

Mas é importante destacar que escolher apenas os caminhos que trazem prazer e evitam a dor pode ser prejudicial. Nem tudo de bom no longo prazo é alcançado seguindo a lógico da fuga da dor e busca do prazer. Por exemplo: o que dá mais prazer no curto prazo? Uma rodada de chopp com os amigos ou exercícios físicos? Sem dúvidas, a diversão com os amigos regado a chopp. Mas se você fizer isso todo santo dia, no longo prazo as consequências deste comportamento aparecerão em sua saúde.

 

Desta forma, conhecendo já as três formas que o cérebro funciona, e também o nosso instinto em nos afastar da dor e seguir em direção ao prazer, você pode agora aprender um hack na hora de decisões importantes no longo prazo. É necessário passar pelas seguintes perguntas:

 

a. Quais são meus objetivos na vida?

b. Esta minha ação está em direção aos meus objetivos?

c. O que de PIOR pode acontecer no futuro se eu fizer isso?

d. O que de PIOR pode acontecer no futuro se eu NÃO fizer isso?

e. O que de MELHOR pode acontecer no futuro se eu fizer isso?

f. O que de MELHOR pode acontecer no futuro se eu NÃO fizer isso?

 

E você deve utilizar esta sequência para qualquer decisão importante que possa repercutir em seu futuro. Mas também é importante estar atento a um detalhe. Existem algumas ferramentas práticas para lhe ajudar a inibir os sentimentos, que invariavelmente podem contaminar suas respostas às perguntas acima. Obviamente que somos humanos, e precisamos levar em consideração que temos um cérebro muito emocional. Portanto, você pode utilizar as ferramentas abaixo para lhe ajudar a limpar a névoa emocional em direção as decisões mais acertadas de longo prazo.

 

I. Meditação. Fique quieto em um espaço silencioso. Remova todo o estímulo externo e deixe as ideias fluírem em sua cabeça. Não se preocupe com elas. Apenas deixe os pensamentos irem e virem.

II.Monitore suas Reações Fisiológicas. Seus músculos estão tensos? Você está exausto? Você está em um dia de estresse descomunal? Então primeiro volte ao estado de normalidade antes de qualquer decisão. Nem que isso demore o tempo que for.

III. Evite conselhos. Assuma a responsabilidade sobre a sua própria vida. Você pode ouvir pessoas que tem o seu respeito, mas na hora da decisão a palavra final precisa ser sua – e não uma regurgitação das palavras de outras pessoas.

IV. Abrace o caos e o medo. É isso mesmo! Não tenha receios das mudanças que acontecem no mundo. Seus medos são as grades da prisão que te confinam. Eles limitam seu leque de opções. Menos medo consequentemente significa mais opções na mesa. O medo cria uma dinâmica própria. Quando você se deixa dominar por ele, você perde energia e confiança. Consequentemente sente mais medo e assim permanece em um loop de feedback negativo.

 

Tudo isto que falei acima faz parte de uma mentalidade vencedora. E mentalidades vencedoras são aqueças que prosperam no longo prazo. Assim como tudo que é bom em nossa vida, os maiores prazeres vem dos juros compostos de nossas escolhas presentes.

 

A propósito, se você gostou destes hacks e ferramentas que foram apresentados hoje, você vai gostar do meu pequeno manual. Se você se interessa sobre as ferramentas necessárias para realizar sua própria jornada no século XXI, tenho certeza que ele pode agregar muito valor nesta caminhada. Ele já está disponível na Amazon e custa menos que uma assinatura de Spotify. O mais interessante é que você não precisa pagar todo mês (diferente do Spotify) e tem acesso ilimitado pro resto da sua vida ao conteúdo do livro (diferente do Spotify) .

 

Por hoje é só pessoal, até a próxima. Como sempre digo: Seja Grande.

 

Clique Aqui para Conhecer o Livro

 

 

 

 

6 thoughts to “Faça o Seu Cérebro Trabalhar a Seu Favor”

  1. Abraçar o caos e o medo talvez seja uma das armas mais poderosas para encararmos desafios com frieza e racionalidade, mas se trata de um comportamento avesso à natureza humana. Requer uma tomada de decisão baseada em racionalidade para superarmos o instinto de abandonar situações caóticas. Abraço!

    1. Sem dúvidas, Dono da Mascada. Este comportamento não é natural. Portanto devemos desenvolvê-lo para que ele prevaleça nos momentos à ser utilizado!

      Um forte abraço!

  2. Olá TR,

    Muito bom. Eu nunca fiz meditação. Vou tentar isso para ver se eu consigo.
    Eu ouço os conselhos, mas eu sigo o que eu tenho em mente. Se aquele conselho dado condizer com eu quero, eu analiso e aplico algo.

    Como estão as vendas do livro? Vai tornar um Best-Seller?

    Abraços.

    1. Olá Cowboy, obrigado pelo elogio meu caro.

      Meditação tem diversas formas. Algumas vão pro lado da religião, outras são mais meditação propriamente ditas. O que a ciência comprovou até hoje é que a meditação por si só, independentemente das crenças supervenientes (ou a falta delas), apresenta resultados positivos mensuráveis.

      O livro está tanto sendo vendido quanto sendo alugado pelos leitores Kindle. Isso é muito bom, pois mostra que o conteúdo tem valor e as pessoas estão lendo! Condensei uma série de conteúdos importantes em tópicos curtos e de fácil acesso, porque hoje em dia ninguém tem tempo para leituras de 1000 páginas.

      O único porém é que a Amazon me contou que você ainda não garantiu o seu exemplar. Lamentável!

      kkkk um abraço Cowboy!

      1. O Jeff sempre está me pregando estas peças! Vou até silenciar ele no meu Whats depois dessa mancada que ele deu!

        Fico feliz pela confiança no trabalho, Cowboy. Aguardarei seu feedback. Um forte abraço!

Leave a Reply