Dívidas: Muito Mais do Que Apenas Dinheiro!

 

Você está passeando em um domingo a tarde. A tranquilidade que apenas os finais de semana proporcionam são lentamente aproveitados. Se fosse possível segurar a velocidade dos ponteiros, você certamente o faria. Nada melhor do que acordar a hora que quiser, ter o controle integral da sua agenda de atividades e passar o tempo ao lado de quem realmente importa. No entanto, ao passar lentamente por uma rua, você se atenta a dois homens instalando uma nova placa de publicidade.

 

maxresdefault

 

Instantaneamente você paralisa a atenção de seus olhos no painel. Começa a olhar para a beleza do veículo. Começa a se sentir imbatível, realizado e bem sucedido. Suas sinapses cerebrais começam a te imaginar dentro do carro, idealizando em como seria sua vida com um destes na garagem. E afinal de contas, porquê não?

 

” – Hey! Por quê não viver a minha vida em sua plenitude? O que me impede de ter um carro destes? Todo mundo tem carro, e eu tenho direito a ter um! Não tenho dinheiro, mas quem tem R$ 170.000,00 para comprar à vista um carro destes? Ninguém! Vou financiar!”

 

O que é dívida? 

 

Dívida é uma quantia de dinheiro emprestada de uma parte para a outra. Geralmente é usado por empresas (pessoas jurídicas) e indivíduos (pessoas físicas) como método para realizar aquisições que não seriam possíveis sobre circunstâncias normais. Um contrato de dívida basicamente estipula uma obrigação: aquele que emprestou dinheiro precisa pagar mais tarde com o acréscimo de juros.

 

As formas mais comuns de dívida para indivíduos são: financiamento imobiliário, financiamento de veículos, crédito para o consumo direto e cartões de crédito. No Brasil, a cada 10 famílias:

 

-> 8 possuem contas à pagar no cartão de crédito.

-> 6 possuem dívidas.

-> 3 possuem dívidas em atraso.

-> 1 não tem condição de pagar sequer a parcela da dívida.

 

Fonte: Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor – Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

 

Por quê a dívida não é apenas dinheiro?

 

Vejamos o seu caso. Após uma sedução imediata avassaladora, você resolve financiar aquela Mercedes-Benz CLA 200 da propaganda no módico valor de R$ 170.000,00. Afinal de contas, você merece! A entrada é de pelo menos 10% do valor do carro. Esta costuma ser a exigência da maioria dos bancos e concessionárias, ou seja, você não pode pagar menos do que 10% do preço do carro. Lá se vai sua reserva na poupança de R$ 17.000,00. Sobram agora R$ 153.000,00 para serem parcelados suavemente em 36 meses, ou seja, R$ 4.250,00 por mês.

 

Acontece que ninguém empresta dinheiro sem uma remuneração, muito menos os bancos que realizam os financiamentos de veículos. A taxa de juros nestes casos costuma ser, em média, 1,5% ao mês. Ou seja, as 36 parcelas não vão lhe custar os iniciais R$ 4.250,00, e sim R$ 5.531,32 por mês. E o valor total à pagar não vai ser apenas R$ 153.000,00, e sim R$ 199.127,39!  E não estou colocando na conta o IOF sobre financiamentos, taxas de abertura de crédito e demais cobranças. O valor final, com todos os encargos cobrados em qualquer financiamento, é acima de R$ 200.000,00!

 

Onde eu quero chegar com esta história? Simples: uma história ilustra uma realidade muitas vezes não percebida aos olhos. E qual seria esta realidade? A dívida exige a necessidade de trabalho futuro – mesmo que você não consiga encontrar trabalho no futuro! A dívida exige que você abra mão da liberdade – restringindo suas opções de escolha no futuro! A dívida exige que você troque eventual tempo livre por tempo de trabalho – mesmo que você queira fazer algo completamente diferente no seu futuro!

 

Sejamos realistas, meus caros: a escravidão ainda existe. Mas, diferentemente de séculos atrás, agora ela é aceita voluntariamente.  As pessoas trocam dívidas voluntárias por trabalho duradouro, ou seja, uma vida de sacrifícios por 50 anos, durante segunda à sexta feira, para conseguir pagar faturas, boletos e carnês. Uma servidão invisível, em que estes seres humanos endividados atribuem à liberdade e ao tempo o valor ZERO!

 

Afinal de Contas, Quem é Seu Dono?

 

Quem se tornou seu real dono? Quem efetivamente é o seu proprietário? Uma pilha de faturas do cartão de crédito? Um carro? Uma casa? Uma festa de casamento? Uma viagem para Europa? Sua esposa? Sua mãe? O cenário mais comum no mundo é este:

 

1. O trabalho cria renda.

2. A renda cria sonhos de estilo de vida.

3. Estilos de vida não são comprados à vista e precisam ser financiados.

4. Financiamento cria débitos para possuir o tal estilo de vida  (carros, casas, roupas de grife, smartphones, etc).

5. Estes débitos precisam ser pagos e geram a necessidade de mais renda.

6. O trabalho cria renda, então a pessoa passa (e precisa!) trabalhar mais.

7. Uma vida de maior trabalho enseja em restrição, tanto da liberdade quanto do tempo.

8. Para superar a insatisfação, a pessoa cria sonhos ainda maiores de estilo de vida.

9. O ciclo repete até a pessoa quebrar, adoecer ou morrer.

 

Conclusão

 

Aqui sugiro que faça um pequeno exercício:

 

a. As dívidas controlam suas decisões presentes e futuras?

b. Você tem o controle do seu tempo ou as obrigações dos empréstimos controlam seu tempo?

c. Você tem a total liberdade de opções ou os empréstimos restringem sua mobilidade?

d. Você tem o controle sobre sua vida ou são os boletos, faturas e carnês?

 

Este pequeno espaço para raciocínio é valioso para que você perceba o quanto realmente valoriza o tempo e a liberdade. Cedo ou tarde, você vai descobrir que eles são os ativos mais valiosos de sua vida. E este pequeno exercício de reflexão é apenas uma singela lembrança daquilo que realmente deve ser o seu norte ao se guiar pela bússola da vida.

 

As dívidas podem te prender em um cenário de escassas escolhas, onde a restrição de tempo e liberdade é a regra, e a felicidade passa a ser a exceção. Portanto, seja sincero consigo mesmo e analise sua situação atual de forma ponderada e realista.

 

Agora me conta uma coisa. Você gosta dos conteúdos do Termos Reais? Então quero convidá-lo a se juntar em nossa família no Facebook (onde já somos mais de 1.500 pessoas), Twitter (onde eu posto diariamente), e a se inscrever no meu canal do Youtube (vídeos novos toda semana). Se quiser conhecer mais da minha vida pessoal, pode me seguir no Instagram.

 

Além de todos os canais acima, também escrevi um livro, de forma a retribuir para a sociedade tudo aquilo que aprendi ao longo destes anos. Se você gosta dos conteúdos que lê em todas as plataformas do Termos Reais, você vai gostar deste compilado de informações práticas e ferramentas de uso diário para alavancar a sua jornada rumo ao épico.

 

Como sempre digo, Seja Grande.

 

Clique Aqui para Conhecer o Livro

 

 

6 thoughts to “Dívidas: Muito Mais do Que Apenas Dinheiro!”

  1. Concordo 💯 % TR,

    Mas também digo uma coisa, se não tem dívidas, se tem dinheiro investido que gere uma boa renda e pode comprar um desses a vista, te digo, é muito bom pegar a estrada 🛣 a bordo de um premium alemão 😂 apesar de eu ter de outra marca 😂😂😂

    Abração.

    1. Grande BPM!

      Este carro, assim como os carros mais recentes do concorrente alemão, são incríveis. Concordo plenamente com você! Mas para efetivamente apreciar a qualidade que eles proporcionam, a pessoa precisa ter tempo e liberdade. E aqueles que estão presos à dívidas até o pescoço jamais vão conseguir usufruir em sua plenitude o que estas maravilhas do mundo moderno podem oferecer.

      Abração, meu caro!

  2. Olá TR,

    Parabéns pelo post.
    As pessoas querem viver uma vida que não tem condições de arcar e acabam virando escravos do sistema. Falam muito em liberdade, mas na verdade poucos tem liberdade. A maioria vive na matrix e nunca vai sair dela.

    Abraços.

    1. Olá Cowboy,

      Primeiramente, obrigado pelo elogio.

      Você tem absoluta razão. As pessoas querem viver um estilo de vida que não é compatível com a renda que auferem. Trocam a liberdade futura por trabalho futuro, afinal de contas precisam pagar as contas do tal ‘estilo de vida’. Isto passa longe da definição de liberdade.

      Forte abraço!

  3. Post matador. Ainda bem que eu não tenho dívida alguma, nem cartão de crédito gosto de usar, salvo quando não me dão desconto no pagamento à vista.

    1. Obrigado pelo elogio, concursado investidor. Parabéns pela postura diante das dívidas de consumo! Elas são o maior inimigo da maioria dos brasileiros, e você está dando um show agindo desta forma. Abraços!

Leave a Reply